sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

CineKriativa: Jumanji 2

Título Original: Jumanji: Welcome to the Jungle
Direção: Jake Kasdan
Elenco: Dwayne Johnson, Jack Black, Kevin Hart
Gênero: Aventura, Comédia, Família, Fantasia
Duração: 119 min.
Distribuidor: Sony Pictures
Ano: 2017
Classificação: 

Quatro adolescentes encontram um videogame cuja ação se passa numa floresta tropical. Empolgados com o jogo, eles escolhem seus avatares para o desafio, mas um evento inesperado faz com que sejam transportados para dentro do universo fictício, transformando-se nos personagens da aventura.






Bom dia pessoal,

Hoje vamos contar para vocês o que achamos do filme Jumanji. Para começar devo deixar claro que eu sou sim uma fã do clássico dos anos 90 que era estrelado pelo Robbin Williams, esse foi um dos meus filmes queridinhos da sessão da tarde e apesar de os efeitos especiais daquela época serem meio trashs eu adorava assistir. Então, quando fiquei sabendo que fariam uma nova versão fiquei entusiasmada para ver. O Marcelo por sua vez ficou animado ao saber que essa nova versão contaria com um jogo de vídeo game, explico melhor, que os personagens seriam sugados para um jogo de vídeo-game. Então, juntando a fome com a vontade de comer fomos assistir no cinema e não nos arrependemos nenhum um pouco da aventura.


A história começa em 1996 e exatamente onde foi finalizado o primeiro filme, se vocês não se lembram o jogo para em uma praia e lá ele é encontrado. Porém, nem tudo é como antigamente e jogos de tabuleiros saíram de moda, sendo assim, o jogo se adapta virando um jogo para video game e assim ele começa a fazer suas vítimas novamente.

Vinte anos depois encontramos quatro adolescentes bem distintos. Spencer, o típico nerd, Martha a garota excluída, Fridge, o cara popular dos esportes e Bethany, a patricinha popular, o que esses quatro tem em comum? A detensão

Eles encontram a fita de Jumanji e decidem testar. O interessante é que os personagens que eles escolhem para jogar são totalmente diferentes das suas personalidades reais. Spencer acaba sendo Dr Bravestone, o personagem rápido, inteligente, veloz e que bate em todo mundo no jogo sem se esforçar. Martha é Ruby, um estilo Tomb Raider, com roupas curtas e que luta para caramba. Fridge é Moose o ajudante do Dr Bravestone que serve apenas para carregar sua mochila, e finalmente Bethany é o professor Shelly Oberon, um homem de meia-idade muito inteligente.

Eles são então jugados para dentro do jogo. E conhecem Jumanji, que é nada mais, nada menos que uma grande selva. Para voltar ao mundo real eles precisaram salvar esse mundo de um terrível vilão, mas para isso terão que se adaptar com seus novos personagens e se unir como uma equipe.


MINHAS IMPRESSÕES

Jumanji com certeza é "Diversão Garantida". Aquele filme nostálgico que nos faz relembrar a infância e que foi modernizado para os dias atuais, mas que não deixou aquele ar de diversão e ação para trás.


Eu simplesmente amei essa nova ideia, deles serem transportados dessa vez para dentro do jogo, com isso temos alguns outros fatores com que lidar, como cada personagem vai se adaptar ao seu novo corpo o que me arrancou algumas boas risadas.Além disso, temos uma pequena homenagem a Robbin Williams no filme que eu achei fantástica.

Sendo um jogo de video game temos algumas sacadas bem legais da produção, como a live dos personagens, suas habilidades e o que faz mal para cada um. Achei isso muito legal, e mesmo para mim não sendo tão fã assim de games consegui entender direitinho e realmente me teletransportar para dentro do game junto com os personagens.



Sobre os atores eles foram incríveis. The Rock mata a pau, ele é o cara fortão, mas com personalidade de adolescente então as caretas que ele faz durante o filme são muito cômicas.  Kevin Hart também cumpre bem seu papel e a gente quase chega a sentir pena dele. A atriz Dwayne consegui incorporar uma adolescente sem muita prática e sensualidade e dá um show nas cenas de ação. Agora o meu preferido é Jack Black, ele me fez rir alto em diversas partes do filme sendo a "patricinha popular", é simplesmente hilário.

As cenas de ação me agradaram muito, as lutas foram bem coreografadas e a trilha sonora encaixou muito bem,só não foi perfeita porque eu acho que eles deveriam ter tocado a música principal do Guns N' Roses em algum momento. 



CURIOSIDADES
1. O roteirista Zach Helm já trazia elementos fantasiosos em seus trabalhos anteriores, como Mais Estranho que a Ficção e A Loja Mágica de Brinquedos.

2. As cenas na selva foram filmadas no Havaí.

3. Van Pelt era um caçador no primeiro Jumanji. Nessta nova versão, ele é um vilão capaz de controlar animais.

4. Tom Holland ia interpretar Seaplane McDonough no filme, mas teve que desistir do projeto por estar focado em Homem-Aranha: De Volta ao Lar (2017). Por causa disso, ele teve que ser trocado por Nick Jonas.

5. A trama do filme se passa em Bratford, New Hampshire, mesmo local em que acontecem os eventos do primeiro filme.

6. O figurino de Ruby Roundhouse foi meio que inspirado nas roupas da personagem Lara Croft, de Tomb Raider (vídeo game que ganhou uma adaptação nos cinemas estrelada por Angelina Jolie).

TRAILER


MAIS VÍDEOS


Concluindo, Jumanji é um ótimo filme para assistir com toda a família que vai agradar tantos os mais jovens como os mais velhos por toda sua atmosfera de ação e comédia. Vale a pena conferir!

Raquel Machado

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Midnighters de Scott Westerfeld

Editora: ID
Gênero: Distopia
Trilogia: Livro 1 - A Hora secreta
Páginas: 352
Ano: 2010
Classificação
Onde Comprar:

Em Bixby, Oklahoma, os dias têm 25 horas. Mas apenas para alguns. Todas as noites, durante uma hora, a cidade de Bixby fica entregue a criaturas das trevas que assombram o local. Apenas um pequeno grupo de adolescentes sabe da Hora Secreta - eles são os únicos que conseguem se mover durante esse tempo que começa à meia-noite. Eles se autodenominam 'Midnighters'. 


Bom dia Pessoal,
Hoje venho trazer a resenha de uma distopia para vocês, faz algum tempo que eu não lia nada desse gênero e confesso que no início estranhei um pouco, porém ao chegar na metade do livro não consegui largar e tenho a dizer que Scott realmente me surpreendeu com sua história.

Em Midnighters conhecemos a cidade de Bixby junto com Jéssica, ela é a nova garota da cidade, acabou de se mudar e está iniciando na escola. Lá ela encontra uma turma bem estranha formada por Rex, Dess e Melissa que parecem ser os excluídos do colégio. Jéssica sente que a cidade é legal, sua única ressalva é que a água parece ter um gosto meio estranho, porém ela não tem ideia de que não é apenas a água que é estranha.

Na primeira noite ela tem um sonho muito esquisito. O que acontece é que a meia-noite ela sai de casa em direção a chuva e vê que as gotículas de água estão paradas no ar, como se alguém tivesse parado o tempo. Ela acha aquilo tudo muito mágico e lindo como um verdadeiro sonho, porém na manhã seguinte ela encontra sua roupa encharcada e fica se perguntando se aquilo foi realmente um sonho.

Na noite seguinte uma situação parecida acontece, porém dessa vez Jéssica se vê rodeada por criaturas estranhas chamadas Darklings que parecem querer sua morte. Por sorte ela é salva pelo grupo dos excluídos que afirmam que ela é uma Midnigther, alguém com capacidade de viver no horário 25 do dia e que possui algum tipo de poder.

Você deve estar perguntando como assim?
Calma, pois aí que a história realmente começa.

Scott criou um universo cheio de fantasia, magia e perigos que vamos descobrir junto com Jéssica. Devemos aprender como tudo funciona rapidamente, pois os Darklings parecem querer a morte dela a qualquer custo, nos resta entender porque disso e tentar impedir isso.


MINHAS IMPRESSÕES

Surpreendente! 

Ao ler a sinopse desse livro fiquei intrigada. Eu sabia que esse era o mesmo autor do livro Feios, o qual também tenho aqui em casa, como ele estava muito barato decide comprar e não me arrependo nem um pouco.

Confesso que no início fiquei um pouco perdida com essa história de Midnighters, Darklings e poderes mágicos, mas tudo vai sendo explicado, conforme vamos avançando no livro. 

O livro é narrado por diversos personagens, mas a personagem principal, é a Jéssica. No início de cada capítulo temos a hora do dia em que está ocorrendo, achei esse detalhe bem especial. 

Esse livro faz parte de uma trilogia pelo que pesquisei, e nesse primeiro volume o autor nos inseriu nesse mundo explicando todos esses novos conceitos. Sendo assim, espero que no segundo livro tenhamos bastante ação.

Sobre os personagens, Jéssica é uma personagem OK. Ela é uma adolescente em uma cidade nova, mas não fica cheia de mimimi, e dei graças a Deus por isso, ela está disposta a se adaptar, mesmo quando tudo parece meio confuso e estranho. O Rex é um enigma para mim, acredito que ele tem muito conhecimento, mas que não falou tudo que sabe. Melissa é aquela que ajuda a todos sobreviverem e bola os planos para sobreviverem ao seres noturnos. Achei a Dess pouco explorada, seu poder é realmente bem especial, e aguardo mais dela no próximo. Jonathan vai ter que se esforçar um pouquinho mais para se tornar um cursh literário para mim, por enquanto dou créditos apenas por seu super poder também.

Sobre a capa achei interessante, mas ainda não entendi porque daquele símbolo no olho da garota. Alguém sabe me explicar? 

Sobre o título e subtítulo da saga achei que casaram perfeitamente com o enredo.

Midnighters faz parte de uma trilogia e pelo que pesquisei até o momento só temos os dois primeiros livros publicados no Brasil.


Livro 1
Livro 2
Livro 3


Concluindo para quem curte uma distopia acho que vai gostar desse livro do seu mundo fantástico e arrisco dizer que daria um bom filme . Agora vou torcer para conseguir dinheiro e comprar o próximo volume.

SOBRE O AUTOR
Scott Westerfeld (nascido em 5 de maio de 1963) é um autor norte-americanos de ficção científica. Ele nasceu no estado do Texas E.U. e agora divide seu tempo entre Sydney, na Austrália e Nova York, E.U.A.. Seu livro Evolution's Darling era um New York Times Notable Book (2000), e ganhou uma mensão especial para o de 2000, Philip K. Dick Award.






Raquel Machado

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

CineKriativa: A Cura Mortal

Elenco: Dylan O’Brien – Thomas ; Kaya Scodelario – Teresa ; Thomas Brodie-Sangster – Newt ; Rosa Salazar – Brenda
Direção: Wes Ball
Gênero: Ação, Ficção Cientifica
Duração: 142 min.
Distribuidora: Fox Film
Classificação: 

Por trás de uma possibilidade de cura para o Fulgor, Thomas irá descobrir um plano maior, elaborado pelo Cruel, que poderá trazer consequências desastrosas para a humanidade. Ele decide, então, entregar-se ao Experimento final. A organização garante que não há mais nada para esconder. Mas será possível acreditar no Cruel? Talvez a verdade seja ainda mais terrível, uma solução mortal, sem retorno.




Bom Dia Pessoal,

Hoje quero trazer minhas impressões sobre o filme "Cura Mortal", o capítulo final da saga Maze Runner. Nós gostamos muito de distopias e essa foi uma que nos agradou desde o início, temos a coleção de livros e começamos a acompanhar os filmes. Infelizmente, não conseguimos ler os últimos livros antes de ir assistir ao filme, então minhas impressões serão somente a partir do filme nesse momento.



Em A Cura Mortal voltamos exatamente ao ponto de partida do segundo filme, Thomas e Newt estão tentando resgatar Minho que foi capturado pelo CRUEL e está sendo transportado para sua base. Então, já nas primeiras cenas temos muita ação e dinâmica. Eles tem a ajuda de Brenda e do Jorge. Mas, nem tudo sai como esperado.

Eles acabam tendo que ir até a última cidade, onde ainda existe civilização e a sede do CRUEL para conseguir realmente salvar seu amigo. Porém, para chegar a essa cidade eles terão que enfrentar vários obstáculos e rever várias pessoas que marcaram suas vidas.

Além disso, eles estão mais perto que nunca de encontrar a Cura para a terrível doença que assola a humanidade, ou pelo menos esperam que estejam, mas para isso eles tem que fazer certas atividades que realmente são bem cruéis, mas não tem muita escolha a respeito disso, pois a doença está assolando o mundo e agora eles tem que lutar contra o tempo para quem sabe conseguir salvar o que resta das pessoas, mas a que preço?



MINHAS IMPRESSÕES GERAIS

Eu sinceramente esperava mais desse filme. Mesmo não tendo lido os livros consegui perceber que eles cortaram boa parte dos acontecimentos, explico, existem mais dois livros que foram colocados apenas em um filme, então imaginem o quanto de corte eles tiveram que fazer para isso dar certo. Não sei se isso foi por falta de orçamento ou se não estava dando muito audiência, mas realmente deu para ver que eles quiseram correr com a história e dar um fim na mesma.

Sobre os atores gosto muito do Dylan, o rapaz que faz o Thomas acho que ele conseguiu encarnar muito bem o personagem e suas dúvidas. Mas, quem realmente ganhou minha simpatia foi a Kaya que interpreta Teresa, pois eu realmente consegui odiar ela, talvez ódio seja uma palavra muito forte, mas consegui pegar um nojo inigualável pela sua personagem em todo o filme, realmente eu não suportava vê-la na tela,mesmo com a desculpa de "temos que salvar a humanidade". Além disso, temos a volta de alguns personagens do passado, o que foi uma grande surpresa.



Os cenários foram muito interessantes e o pessoal da computação caprichou nos efeitos especiais do filme, as cenas de ação são muito bem feitas e realmente de tirar o folêgo de quem está assistindo. A trilha sonora ajuda bastante nos momentos de tensão dando um upgrade ao filme. Para mim o pseudo romance foi totalmente desnecessário, ai já não sei se foi culpa dos atores que não conseguiram fazer direito ou se porque a história realmente não precisava disso.

Infelizmente, para mim apesar disso tudo faltou um pouco mais de explicações também. Como comentei parece que eles estavam querendo correr de qualquer maneira com a história e achei bem superficial algumas partes que poderiam ser melhor retratadas.



CURIOSIDADE

‘Maze Runner: A Cura Mortal‘ teve sua estreia adiada indefinidamente após o acidente sofrido pelo astro Dylan O’Brien. Segundo um recente relatório da agência de segurança do trabalho WorkSafeBC, a culpa do acidente foi da equipe de produção e da 20th Century Fox. A equipe não conseguiu garantir a segurança do ator Dylan O’Brien, causando o acidente que o deixou com ferimentos graves com possíveis sequelas. O ator teve alguns ossos da face quebrados após ser atingido por um carro em alta velocidade no set de filmagens no dia 17 de março, em Vancouver, no Canadá.


TRAILER


MAIS VÍDEOS


Concluindo, é um bom filme de ação que fecha uma ótima saga. Poderia ser melhor? Na minha opinião sim, mas com certeza vale a pena assistir para saber o desfecho de tudo.

Raquel Machado