sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Cinekriativa: Jogo Perigoso

Título original: Gerald's Game
Gênero(s): Terror
Duração: 103 min
Ano: 2017
Produção: Netflix
Diretor: Mike Flanagan
Elenco: Carla Gugino , Henry Thomas , Bruce Greenwood
Nota: 

Gerald e Jessie vão para um casa afastada buscando aproveitar um momento romântico que envolve jogos sexuais. Depois de ser algemada na cama, Jessie participa dos jogos do marido, até que a situação tem uma mudança trágica. Ela é deixada amarrada e sozinha com suas memórias dolorosas de infância, um cachorro de rua faminto, as vozes em sua mente, e, possivelmente, alguém que a observa do canto escuro do quarto.




Bom dia Pessoal,

Sendo o mês de Halloween, tio King não poderia faltar por aqui e para quem nos acompanha sabe como gostamos das obras desse cara. Como costumo dizer com o King é assim "ou você ama ou você odeia", nós fazemos parte do primeiro time, então quando vimos que a Netflix ia lançar uma adaptação do seu livro "Jogo Perigoso" ficamos de olho para assistir assim que disponível, e posso dizer que agradou sim.

No início do filme encontramos o casal Gerald e Jessie, eles estão naquela fase onde o casamento já não está tão quente. Gerald propõe para sua esposa um fim de semana especial para eles "apimentarem" sua relação. Para isso ele a leva para uma cabana afastada da cidade, onde poderiam ter toda privacidade que gostariam. No caminho eles encontram um cão faminto se alimentando de um animal morto na estrada (lembrem-se desse cão, ele será importante na trama).

Então, eis que chegam na "cabana romântica" e Gerald planejou algumas coisinhas especiais para tentarem na cama. Jessie entra no jogo, até que ele exibe um belo par de algemas. No começo ela aceita, afinal aquilo não parecia ser tão ofensivo.O problema é quando seu marido começa a fantasiar um estupro(que trouxa), porém Jessie dá um basta antes dele continuar com a encenação. E nesse ponto algo crucial acontece



A criatura tomou um "comprimidinho azul" (se é que vocês me entendem) para conseguir dar conta do recado. O que acontece é que ele acaba sofrendo um ataque cardíaco e cai morto em cima de sua esposa (que lembrem-se está algemada).

A partir dai a trama começa a seguir rumos muito particulares, dignos de Stephen King. Vamos acompanhar Jessie em uma volta ao seu passado assombroso e seus traumas. Enquanto "desfruta" da companhia do único ser vivo no comodo, lembram-se do cão da estrada? E do pequeno detalhe que ele estava com muita fome (podem tirar suas próprias conclusões).

Se isso não bastasse ela começa a ter visões com um certo homem que chama de "Homem do Luar". Ele só aparece a noite e carrega consigo uma caixinha que entre outras coisas tem "dedinhos mutilados". 

Mas será que esse homem é realmente somente uma fantasia?
O cãozinho vai aguentar a fome tendo duas vítimas indefesas?
Como ela conseguirá escapar das algemas, já que seu marido não está entre os vivos?




O que falar dessa história do mestre do terror: Primeiro para quem curte as histórias do "cara" já vai identificar vários fatores de cara, como por exemplo seus personagens bem construídos que carregam algum tipo de problema. E gosto muito desse tipo de abordagem, pois não é um filme só de sangue e pulos de susto, mas sim com uma história. Aliás, se você está esperando levar sustos com esse filme creio que vai se decepcionar, pois aqui o que é tratado é o terror psicológico. Eu mesma fiquei pensando como a mulher ia se libertar daquilo, sem contar nas necessidades básicas como comer, beber água, ir ao banheiro e conseguir lidar com as "fantasias" de sua mente.

Uma das cenas que mais me marcou foi o Eclipse (quem ver vai entender), que mostra como traumas de nosso passado podem construir nossa personalidade futura. Uma coisa que é citada no filme, como a protagonista nunca conseguiu realmente se libertar dos seus fantasmas.


Além disso, temos o fator sobrenatural que sempre existe nas história do escritor, esse Homem do Luar me deixou intrigada desde o início e tenho certeza que vai te deixar também. Será que seria somente a mente perturbada da protagonista, mas porque o cão sempre some quando esse personagem entra em cena? E a explicação para isso foi muito bem desenvolvida, dou parabéns ao mestre King não deixou nada a desejar.

Infelizmente, não li o livro para poder fazer uma comparação mais concisa, inclusive acredito que no livro existam acontecimentos melhor explicados, porque não tem como abranger tudo em apenas 2hs de filme.

Outro detalhe que me chamou atenção foi a tradução que eles fizeram, acredito que dessa vez a tradução ficou melhor que o original porque senão o filme se chamaria "O jogo do Gerald",é não ia colar.



Agora, o ponto final é que não poderia deixar de citar é quando ela consegue se libertar, ela faz isso de uma maneira que causará arrepios em qualquer pessoa (eu não consegui ver essa cena, pedi para meu excelentíssimo marido Marcelo Brinker me avisar quando acabasse), é realmente chocante e visceral.

Concluindo, é um filme para aqueles que gostam de terror psicológico com uma história bem descrita e personagens bem construídos. Recomendo!

TRAILER


Raquel Machado

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Feira do Livro Caxias do Sul 2017

Bom Dia Pessoal,

O post de hoje é um pouquinho diferente, do dia 1º ao dia 15 de outubro ocorreu aqui na minha cidade a 33ª Feira do Livro. Nós como leitores viciados sempre tentamos comparecer a esse evento e dessa vez decide fazer um pequeno vídeo mostrando para vocês como foi.

A Feira do Livro sempre gera uma grande polêmica aqui, acerca do seu local, uma parte da população prefere que aconteça na Praça da Cidade que fica bem no meio do centro e outra parte da população prefere que aconteça em um lugar um pouco mais afastado (tipo umas 8 quadras no máximo) que é um local destinado a eventos artísticos. Na minha opinião eu gostei da feira mais da Praça das Feiras que é esse lugar mais afastado, porque é mais arejado, tem um estacionamento mais perto, os locais para as palestras são melhor, mas enfim a discussão rola solta por aqui, e não sabemos ainda como será ano que vem.

Outro fator que vou ressaltar aqui são os valores dos livros, infelizmente esse ano não estava valendo a pena não. Encontramos livros mais baratos pela internet mesmo, entendo a situação dos livreiros não conseguiram abater esses preços, porém eu como leitora acabo decidindo pelo que é mais barato.

Sobre as palestras e sessões de autógrafo infelizmente esse ano também não veio nada do meu gosto, particularmente.

Mas se valeu a pena? Valeu sim. Porque consegui comparecer há algumas sessões de autógrafos de amigos meus e sempre vale a pena dar uma olhada nos livros. Certo?

Do mais, deixo com vocês é um vídeo curtinho, 
mas acredito que dá para ter uma ideia.
Espero que gostem e deixem seus comentários.
Na cidade de vocês também tem eventos assim?





Raquel Machado

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Divulgação - O Poder da Vingança

Bom Dia Pessoal,

Não sei se vocês conhecem a Carol do blog Caverna Literária, ela lançou um livro mês passado e está em uma campanha, ela precisa vender 50 exemplares para conseguir o apoio da editora. Como achei a história mega interessante decide trazer a notícia para cá e ajudar a autora que parece ter muito talento.


Rebecca Morelli é filha da estilista mais famosa da cidade. Ela tem os melhores amigos que poderia imaginar e carrega o esplêndido talento de modelar os vestidos para os desfiles da mãe. Mas como resultado de toda fama, sua vida perfeita é apenas uma fachada. Um acidente fez com que a relação com sua família se tornasse um pesadelo. As noites em casa viraram um caos, repletas de pavor e gritos.
Em pouco tempo, Rebecca descobre segredos envolvendo seus pais, sua amiga que não via há anos e, principalmente, Daniel Palacci, um rapaz sarcástico e misterioso. Becky então se vê no meio de uma rede de mentiras, traições, assassinatos e perseguições.
Sem saber com quem contar, Becky se encontra num dilema: Confiar ou não em Danny, que aparentemente é o único capaz de salvá-la, mas ao mesmo tempo o principal a levá-la para uma armadilha. Seria o amor capaz de arrancá-la das garras do mal, ou introduzi-la cada vez mais nesse mundo onde não existem escapatórias?
BIOGRAFIA
Carolina é natural da cidade litorânea de Santos, formada em Biomedicina, dona do blog Caverna Literária e leitora assídua. Aficionada por livros desde nova, fez o primeiro rascunho de Poder da Vingança aos 15 anos, quando a intenção era torná-lo uma fanfic da banda McFly. Sua obra de lançamento é o fruto de muita perseverança e paixão, embalados pela trilha sonora que acompanha a história.

Contato:
  
A obra envolve romance, suspense, e contém músicas que acompanham os capítulos, formando a trilha sonora.



A pré-venda do livro durará 2 meses com um estoque de apenas 50 livros. São 548 páginas e o frete já está incluso no valor ao qual o livro está sendo vendido (R$49,90).



Use a tag após a compra e concorra brindes: #maresiaondemand



Segue alguns quotes do livro:






E então ficaram curiosos?
Eu com certeza, e assim que conseguir quero obter o meu.

Raquel Machado

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Série de livros - O Conquistador de Conn Iggulden

Olá pessoal, tudo bem com vocês? Marcelo na área, e hoje pra falar de uma série de livros que eu gosto muito! Estou falando da série de livros “O Conquistador”, escrita pelo britânico Conn Iggulden. Antes de tudo preciso dizer para vocês que um dos gêneros literários que eu mais curto é o medieval. Sou fã de carteirinha do Cornwell também, que escreve o mesmo estilo literário, e quando peguei essa série para ler foi paixão à primeira folheada!
Tá aí o pai das crianças!

Essa série trata do lendário Gengis Khan, um dos maiores conquistadores que o mundo já viu e suas conquistas! (ficou meio redundante né...ah dane-se!) Conta sua história desde a infância difícil dele e de seus irmãos, seu crescimento, como ele fez para unir as tribos e criar uma grande nação nômade, suas batalhas contra o império Jin, contra os russos, arábes e mais meio mundo. E dá bastante destaque também às táticas militares dos mongóis, o incrível domínio que eles tinham sobre o arco e flecha mesmo cavalgando e a organização interna de seus exércitos.

A série é composta por cinco livros (malditas séries longas que drenam meu rico e suado dinheirinho). São eles:

O Lobo das Planícies: Temujin, segundo filho do chefe dos lobos, tinha apenas onze anos quando seu pai morreu numa emboscada. A família foi expulsa da tribo e deixada sozinha, sem comida nem abrigo, para morrer de fome nas duras planícies da Mongólia. Foi uma dura introdução a um súbito mundo adulto, mas Temujin sobreviveu, aprendendo a combater ameaças naturais e humanas.

Em pouco tempo, um pequeno exército de desgarrados se une a Temujin, marcando o início de uma nova identidade tribal. Enfrentando todos os perigos, o jovem líder chega à conclusão que mudaria toda a História: o maior inimigo era a divisão causada por séculos de guerra entre as tribos. Para unir seu povo, em breve Temujin iria se tornar o Gêngis Khan.



Os Senhores do Arco: Temujin dos lobos, o menino que nasceu das planícies da Ásia Central, apresentado ao público em O lobo das planícies, tornou-se Gêngis Khan, um homem que deve unir as tribos mais divididas pela guerra no Oriente. Seu objetivo é criar uma nova nação nas planícies e montanhas ermas da Mongólia. Um nascimento sangrento que deixará de joelhos um continente.



Durante milhares de anos seu povo foi mantido isolado pelo império Jin, uma terra de enorme riqueza e numerosos exércitos. Seus guerreiros têm apenas o arco, o cavalo e a disciplina férrea, nascida de uma terra de gelo, fome e morte. Muralhas de pedra se erguem acima dos cavaleiros mongóis, e Gêngis deve derrotar o antigo inimigo ou ver seu povo ser disperso e seus sonhos despedaçados.

Além do inimigo ancestral, ele deve reconciliar os grupos descontentes com seus generais, mediar entre seus irmãos ambiciosos e lidar com as próprias emoções ao ver os filhos crescendo. O jovem guerreiro se tornou um comandante militar vitorioso: agora deve elevar seu povo à grandeza.



Os Ossos das Colinas: Temujin dos lobos, o menino que nasceu das planícies da Ásia Central, apresentado ao público em O lobo das planícies e Os senhores do arco, tornou-se Gêngis Khan, o poderoso líder de uma nação fruto da união de tribos rivais, e guerreiro vitorioso na longa guerra contra os jin. Agora o inimigo surge do oeste das planícies da Mongólia. Suas caravanas são expulsas, seus emissários são mortos ou mutilados e suas tentativas de negociação, repelidas.



Assim, Gêngis e seus exércitos, liderados por seus filhos e irmãos, embarcam em uma grande viagem através dos atuais Irã e Iraque e pela costa do Mediterrâneo. Conquistando cidade após cidade, um império após outro, por meio da guerra, do medo e da persuasão, o poder mongol domina toda a região.

O grande cã construiu um império maior do que qualquer outro homem. Durante essas campanhas, seus filhos e irmãos disputavam o favoritismo, o direito de liderar o mais bem-sucedido de seus exércitos e de realizar as maiores conquistas, para ser escolhido como sucessor.

Gêngis já provou ser um grande guerreiro. Agora, seu desafio é mostrar-se um governante e líder excepcional para seu povo, alguém que possa coordenar sua sucessão sem sobressaltos. Sua estratégia – descobrir novos territórios, cobrar tributos dos povos conquistados e devastar as cidades que resistem – é uma forma de dispersar as rivalidades entre os herdeiros e ajudar a definir aquele que será o próximo cã.

Das terras férteis dos jin até as áridas rochas do Afeganistão, mesclando ficção e acurada pesquisa histórica, Iggulden tece um épico fascinante sobre o conquistador mais enigmático da história, aqueles que o temiam, aqueles que o desafiaram e aqueles cujos ossos deixou para trás.



Império da Prata: Mongólia, século XIII. Após a morte do grande líder Gêngis Khan, o império mongol atravessa um período de incerteza. O sucessor escolhido por Gêngis para o cargo de cã, seu filho Ogedai, enfrenta a inveja e a resistência de seu irmão mais velho, o ardiloso Chagatai. Para ajudar a legitimar seu poder, Odegai constrói a gigantesca cidade de Karakorum no meio das planícies mongóis e a declara capital do império.



Porém, os jogos políticos não são a única preocupação de Ogedai. O grande império mongol precisa continuar sua expansão militar, e caberá ao general Tsubodai, homem de confiança do falecido Gêngis Khan, a missão de conduzir o poderoso exército para o novo líder da nação. Entre os soldados que Tsubodai levará consigo está o ambicioso Batu, filho bastardo de Jochi, irmão de Ogedai assassinado pelo general por ordens do próprio Gêngis. Batu e Tsubodai alimentarão uma rivalidade acirrada enquanto conduzem o exército desde as fronteiras do império com a Rússia até as frias terras da Rússia.

Enquanto tenta desesperadamente se manter no poder e luta contra sua saúde debilitada, Ogedai contará com a ajuda e a lealdade de todos os seus parentes, ainda que isso signifique improváveis alianças — como, por exemplo, com sua cunhada, Sorhatani, uma mulher disposta a dar uma vida melhor para seus filhos. Mas nada, nem mesmo o conturbado momento político, será capaz de impedir a ascensão de um dos maiores impérios que a história já viu.



Conquistador: Após o breve canato de Guyuk, seu primo Mongke se torna cã e inicia significantes reformas no império, a fim de expandi-lo. Porém, Kublai, seu irmão, desponta como mais do que apenas um intelectual ao se revelar um habilidoso estrategista e deve assumir seu papel da condução de seu povo. É o momento de Kublai provar seu valor, o que marca para sempre a trajetória mongol e conduz o jovem a um futuro impensado. 




O autor mistura um profunda pesquisa histórica com um pouco de ficção para preencher algumas lacunas, e para dar um toque mais romântico à série.

É incrível aprender sobre como os mongóis sobrepujaram militarmente todos que se colocavam em seu caminho. Ao mesmo tempo que atacavam de maneira selvagem, tinham uma disciplina irretocável.

Interessante também observar como eles absorviam vários aspectos das culturas dos povos que conquistavam, e cada vez mais enriqueciam a sua própria cultura e costumes.

Então, para quem como eu é fã de romances históricos medievais, com descrições de batalhas, intrigas políticas e conhecer a fundo uma cultura milenar, essa série é uma grande pedida!

Até a próxima pessoal!
Titio Darth mandava umas dicas
para Gengis por whatsapp!



sexta-feira, 13 de outubro de 2017

CineKriativa - Onde está Segunda?

Bom dia galerinha esperta que curte o nosso cantinho virtual! Aqui é o Marcelo, e o assunto de hoje será o filme “Onde está Segunda?”, produzido pela Netflix. O filme conta com Noomi Rapace como protagonista (também protagonista em Prometheus), e os já consagrados Willem Dafoe e Glenn Close.

Em um futuro distópico, no ano de 2073, algumas regiões do mundo tornaram-se áridas (América do Sul em especial. Sim, viramos um deserto!), e a escassez de comida virou um problema mundial. Mas ele tinha solução. Alimentos geneticamente modificados, produzidos em qualquer lugar, sem depender de grandes plantações. Caso encerrado? Claro que não né, qual seria a graça?

A tal solução criou um novo problema: os alimentos modificados resultaram em um boom no nascimento de gêmeos, trigêmeos, e por aí vai. Voltamos a estaca zero né? Errado! Porque aí o governo, representado na figura de Nicolette Cayman (Glenn Close), instaurou a lei do filho único. Cada família pode ter apenas um filho, e os “excedentes” são confiscados pelo governo (e isso é feito de maneira bem explícita e violenta) e colocados em sono criogênico, para serem descongelados quando o planeta estiver em melhores condições. Que queridos que eles são né!

Nesse contexto todo, temos uma família cujo pai não se conhece, a mãe morreu no parto, e o avô (Willen Dafoe) se vê com sete netas para criar. Isso mesmo, heptagêmeas! (nem sei se é assim que escreve, btw...)

Jantar em família... de clones? ou não...
Mas esse avô é um cara muito sagaz, e batiza cada uma delas com o nome de um dia da semana. E quando chega a época de elas irem para escola, elas saem uma de cada vez, apenas em seu dia, e assumem a identidade de Karen Settman, a falecida mãe delas. E assim vão vivendo.

Uns 30 anos depois, elas já estão adultas, tem um emprego (compartilhado), e vidas compartilhadas. Mas cada uma tem seu estilo, sua própria personalidade, que elas só podem mostrar mesmo em casa, diante das irmãs. Na rua elas sempre saem de maneira padrão.

Eis que um dia a Segunda não volta para casa após o trabalho. Isso nunca havia acontecido, e as outras ficam com medo de terem sido descobertas. Então elas resolvem investigar o paradeiro da irmã, cada uma no seu dia. Mas as coisas não vão ser tão simples assim...

O governo, descobrindo o caso das sete irmãs (como isso aconteceu, só vendo o filme pra saber!), quer pegar elas, mas sem alertar a mídia, pois imaginem como seria ruim para eles haver um brecha tão grande no programa do filho único, sete irmãs que chegaram até a idade adulta sem o conhecimento deles!!!

E aí começa uma caçada alucinada, em que cada uma delas vai ter que fazer uso de suas melhores habilidades individuais para sobreviver.
Corre Forest, corre! Quer dizer, Corre Karen, corre!

Eu curto muito distopias, e essa em especial me chamou a atenção por ser algo bem possível de acontecer! Já existem alimentos geneticamente modificados, a superpopulação já é realidade em alguns países... teoria da conspiração ou premonição de um futuro breve? Não sei, só o que sei é que curti muito o filme, tanto a temática, quanto as cenas de ação. Só achei que o desenvolvimento da trama ficou meio pobre, a verdade é que um tema tão rico merecia uma série. E aí Netflix, que tal começarem a se coçar?

Aliás, cobrem a gente (eu e a Raquel), pretendemos fazer um vídeo sobre as distopias mais interessantes que lemos ou assistimos. Tem umas que realmente deixam a gente com a pulga atrás da orelha, pensando nas possibilidades e talz...Aguardem!

Segue o trailer do filme para quem ficou curioso:



Quem tiver Netflix dê uma conferida no filme, é muito legal! Espero que tenham curtido a análise, e até a próxima!
"Se essa lei valesse na galáxia
muito distante, eu não teria tido
problemas com o Luke e a Léia!"

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Livros Famosos que não Gostamos

Bom Dia Pessoal,

Hoje vamos trazer um post diferente aqui para o blog. 
A opinião hoje vai ser em vídeo!

Sabe aquele livro que todo mundo está comentando na rede social. Que é um best-seller em vendas e seus amigos adoram, porém para você não funcionou. E exatamente sobre isso que vamos falar.

Livros Famosos que  Não Gostamos



Espero que tenham gostado do vídeo e se tiverem sugestões para outros e só deixar nos comentários. E não se esqueça de se inscrever no canal e de deixar seu joinha.

Gostaram do post?
E vocês tem livros assim?
Raquel Machado e Marcelo Brinker

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Casada até quarta de Catherine Bybee

Editora: Verus
Coleção: Noivas da Semana
Volume: 1
Páginas: 196
Ano: 2017
Gênero: Romance
Classificação
Onde Comprar:

O contrato de casamento deles previa tudo.. menos se apaixonar.
O primeiro livro da série Noivas da Semana.

Blake Harrison: rico, nobre, charmoso... e precisando de uma esposa até quarta-feira. Para isso, Blake recorre a Sam Elliot, que não é o homem de negócios que ele esperava. Em vez disso, ele encontra Samantha Elliot, linda e exuberante, com a voz mais sexy que ele já ouviu.

Samantha Elliot: dona da agência de casamentos Alliance, ela não está no menu de pretendentes... até Blake lhe oferecer milhões de dólares por um contrato de um ano. Não há nada de indecente na proposta dele, e além disso o dinheiro vai ser muito útil para quitar as contas médicas da família dela. Samantha só precisa disfarçar a atração que sente por seu novo marido e evitar a todo custo a cama dele. 

Mas os beijos ardentes de Blake e seu charme inegável se provam muito difíceis de resistir. Era um contrato de casamento que previa tudo... menos se apaixonar. Agora só resta a Samantha proteger seu coração até que o contrato chegue ao fim.


Bom Dia Pessoal,

Hoje trago a resenha de um livro que faz parte de uma série que promete abalar coraçõezinhos. Desde a primeira vez que vi esse livro na Saraiva fiquei chocada, pois percebi que toda a série tinha sido lançada e já estava a venda e isso realmente é muito difícil de acontecer. Li a sinopse do livro e fiquei interessada na história, pois parecia ser aqueles romances fofos que ao final da leitura deixa a gente com um sorriso bobo no rosto. Estava certa!

Casada até quarta é o primeiro livro da série Noivas da Semana, e nesse livro vamos conhecer a história de Blake Harrison e Sam Elliot. Blake é um conde, e para herdar o título e a fortuna da família deve atender o testamente de seu pai, que exige que ele case dentro de um ano. Ele não é um homem que pretende se prender a alguém e não confia muito nas mulheres,pois elas parecem querer somente seu dinheiro, então para resolver seu problema ele acaba buscando ajuda profissional.

Sam Elliot é dona da empresa Alliance que tem a função de formar casais. Sam está muito empolgada com seu último cliente, um duque que precisa de um contrato de casamento. Se ela conseguir uma esposa para ele a agência receberá 20% do lucro do pagamento no final, dinheiro que vai ajudá-la a tratar de sua irmã doente. 

Em sua reunião de negócios Sam tenta se mostrar o mais profissional o possível e ao chegar em casa junta a ficha de algumas candidatas para mandar para Blake, porém o duque já escolheu sua esposa. Ele quer Sam.

Ela fica chocada com a proposta do homem, eles quer que ela seja sua esposa por uma bela cifra de notas. Ela pondera e pensa que mal isso poderia causar são apenas negócios certo? Ela só teria que deixar seu lado afetivo e seus hormônios de lado, porém eles parecem entrar em explosão cada vez que ela encontra aquele lindo homem. 

Era para ser apenas um acordo de negócio, mas quando o coração não pode ser deixado de lado o que se pode fazer?



MINHA OPINIÃO

Estava em uma ressaca literária, após ter lido um dos melhores livros de minha vida, e com medo do que viria em seguida, mas quando vi esse livro na estante ele sendo curtinho e prometendo ser leve e divertido decide dar uma chance e fiquei muito feliz ao fazer isso. O livro me agradou sim, para mim seu propósito foi devidamente alcançado, pois trouxe um romance leve com boas doses de sedução, algumas brigas e um final fofo.

Catherine Bybbe possui uma escrita muito fluída e li o livro em um pouco mais de três horas. A história foi rápida e nem vi o tempo passar, foi um livro gostoso de ler.

O livro é narrado em terceira pessoa e temos em vários momentos o ponto de vista de Blake, em outras horas o ponto de vista de Sam, o que acredito ter acrescentado bastante a leitura. 

A capa é linda e esse vestido é um sonho, eu "babei"nele assim que o vi. A diagramação é bem fofa e não encontrei muitos erros que interferissem na leitura.

Se tivesse que apontar algum problema talvez fosse que as coisas foram claras demais, eu já sabia o que ia acontecer antes mesmo de ter acontecido. Um romance clichê, mesmo assim não deixou de ser bonitinho.

Sobre os personagens, Blake me surpreendeu em boa parte do livro com seu jeito milionário de ser e suas intrigas com seu pai conseguimos entender porque ele é como é hoje em dia. Sam é uma mulher determinada com um passado conturbado, nem por isso ela é aquela mocinha bobinha que estamos acostumados com várias leituras, ela é decidida e determinada e sabe muito bem o que quer, o que me agradou muito pois não temos muito mimimi.

Outro ponto positivo que vou citar sobre o livro e que não temos um abuso nas cenas "hot",temos algumas cenas de sexo sim, porém isso não é em todo o livro o que me agradou muito, assim como o linguajar utilizado sem uso de muitos palavrões o que com certeza ganhou pontos comigo.

SOBRE A AUTORA
Catherine Bybee foi criada no estado de Washington, nos Estados Unidos. Depois de se formar no ensino médio, mudou para o sul da Califórnia na esperança de se tornar atriz. 

Após se entediar de tanto trabalhar como garçonete, voltou a estudar e obteve o diploma de enfermeira, tendo passado a maior parte de sua carreira trabalhando no pronto-socorro. 

Atualmente ela é escritora em tempo integral e mora com o marido e os dois filhos adolescente no sul da Califórnia.



Concluindo, esse é um livro leve e divertido, bom para uma pausa entre leituras pesadas,com um romance fofo que vai te fazer sorrir ao final. Recomendado. 

Raquel Machado